O CINEMA NACIONAL É RUIM? | Red Pill com Flávio Morgenstern e Melquisedec Santos

Dia 13 de dezembro estreia o Especial de Natal da Brasil Paralelo. Garanta o seu ingresso on-line e gratuito: https://bit.ly/natalbp-2021
_____
O cinema brasileiro é ruim?

Estatísticas apontam que o cinema nacional desperta pouco interesse, principalmente por tratar temas distantes do imaginário popular, e é totalmente dependente de incentivos do Estado para se manter vivo.

Incentivos estes como a Lei Rouanet, criada em 1991, que destina verbas da União Federal para projetos de fomento da cultura, incluindo o cinema.
____
Siga nossos apresentadores nas redes sociais:

Marcos Ruppelt: https://www.instagram.com/marcosruppelt/
Guilherme Freire: https://www.instagram.com/guilhermefclfreire/

Convidados:

Flávio Morgenstern: https://twitter.com/sensoinc
Melquisedec Santos: https://www.instagram.com/aformacaodoimaginario/
_____

Confira nossa programação diária 👇

SÁBADO, ÀS 20:00 – Red Pill

Red Pill é o cinecast da Brasil Paralelo, apresentado pelo professor de filosofia e apaixonado por cinema, Guilherme Freire. Todo sábado, Guilherme recebe convidados para fazer análises e discussões profundas e descontraídas sobre temas do universo do cinema.

___

Siga a Brasil Paralelo:

Site: https://bit.ly/portal-bp
Instagram: https://www.instagram.com/brasilparalelooficial/
Facebook: https://www.facebook.com/brasilparalelo
Twitter: https://twitter.com/brasil_paralelo

Sobre a Brasil Paralelo:

Somos uma empresa de entretenimento e educação fundada em 2016. Produzimos documentários, filmes, séries, trilogias, cursos, podcasts e muito mais. Nosso foco é o conteúdo informativo e educativo relacionado ao contexto social, político e econômico brasileiro.

(Visited 1 times, 1 visits today)

You might be interested in

Comment (601)

  1. Porque o cinema nacional é tão ruim? O cinema nacional é militante, sempre guiado por um vies esquerdista. Sempre, oprimido versus opressor. Exemplo recente? Bacurau. Que filme intragável. Aliás, como a grande maioria dos filmes brasileiros.

  2. Gosto das opiniões do Guilherme Freire, por essa razão farei uma crítica (que julgo ser construtiva). Acho que nessa conversa tivemos alguns exemplos de atitudes um tanto presunçosas e arrogantes de sua parte, especialmente no trato com o filme Cidade de Deus, como se devesse criticar por criticar. Ou demonstrar um conhecimento tão superior que não pudesse achar o filme simplesmente bom. Cobrar que o mesmo traga uma distinção clara entre herói/bem x lúcifer/mal, por exemplo, não faz muito sentido. Nem todo filme traz uma relação tão cristalina entre o que é o bem e o que representa o mal em si. Outro ponto que me pareceu sem sentido: por que um filme (de ficção, pressuposto) teria de falar textualmente em Brizolla, ainda que esbarrasse no tema de favelização? Não estamos falando sobre um documentário! A terceira visão, a meu equivocada, foi questionar o emprego do rapaz da favela (fotógrafo de jornal), como se não tivesse muita importância. De fato não tinha, mas, novamente a meu ver, esse é ponto! Desde quando um menino de favela deveria se tornar um 'vencedor do Nobel', ou coisa desse nível, para fugir ao discurso vazio do tal fatalismo (que todo favelado só pode ser criminoso)? O emprego poderia ser de empacotador de supermercado que ainda estaria em sintonia com a mensagem de que nem todo pobre vira bandido. Além de trazer, uma vez mais, um aspecto mais realista ao filme! Enfim, foram os três pontos que destaquei entre os debatidos sobre o filme Cidade de Deus.

  3. Além dos citados no vídeo, alguns filmes nacionais me parecem interessantes: Lisbela e o prisioneiro (comédia com teor semelhante ao O Auto da Compadecida), O Coronel e o Lobisomem (talvez o filme nacional mais subestimado de todos os tempos), o filme sobre Irmã Dulce, e até a representação para o cinema da Guerra de Canudos (pela mensagem da violência republicana). Isso sem falar de alguns filmes despretensiosos (mas já clássicos) de décadas anteriores, como os de Mazzaropi. Enfim, ainda que o todo seja bem ruim, temos algumas coisas ao menos interessantes aqui e ali.

  4. Esse vídeo me emburreceu. Sorte que tinha o convidado para falar coisas lúcidas. Esse Guilherme Freire é filho do Paulo Freire? Esse cara é uma metralhadora de bosta. Só sabe reclamar de tudo, tudo é ruim, nada presta e ele não sabe fazer nada melhor e não tem soluçao para nada, mas ainda se acha dono da razão

  5. No Brasil, houve um período ao qual surgiram as primeiras tentativas de cinema descente e foi no período dos estúdios Vera Cruz. Glauber e CIALTDA acabaram com o cinema Vera Cruz e não proporam nada melhor no lugar. Daí pra frente foi só a derrocada. Agora sobre a programação de vcs o bate papo é até legal, mas são sempre os mesmos para opinar sobre tudo? Kd os especialistas? Porque não tem ninguém na área do cinema nesta conversa.

  6. Filmes que gostei:
    O auto da compadecida
    Central do Brasil
    Minha é uma peça
    O caminho das nuvens
    2 filhos de Francisco
    Nosso lar
    Irmã Dulce
    Chico Xavier
    Os trapalhões
    Lua de cristal

  7. "O homem que desafiou o Diabo" tbm é um filme maravilhoso, que fala do nordeste raiz, além de ser muito bom em fantasiar determinadas realidades. Ele e Alto da Compadecida são bons, retratando o nordeste.

  8. Temos histórias interissantissimas para ser contada no cinema como a história do milton terra verdi e o rapaz que passou 36 dias no mato depois q o avião caiu na mata fechada.

  9. Acho que assim como a produção estrangeira, o Brasil tem seu erros e acertos. Pena que programa só juntou uma galera que não gosta de filmes nacionais simplesmente por ser nacional. Meio que se reuniram pra falar mal dos nossos filmes e dizer que qualquer coisa vinda de Hollywood é excelente.

  10. nunca foi ruim o nosso cinema, o que é ruim são algumas tematica como pornochanchada ou filmes feitos para a critica e não para o publico, agora os filmes feitos para o publico como, tropa de elite, auto da compadecida,cidade de deus,pagador de promessa, o cangaceiro e muitos me fogem a lembrança representam o cinema Brasileiro

  11. Cinema brasileiro se acostumou a mamar na teta pública, isso faz com que, se o filme for ruim, como a maioria é, eles vão ganhar como se o filme fosse bom. Então, tem que cortar verba pública sim, até pra desestimular esses bostas que tem perpetuando esse modelo.

  12. O brasileiro se acha um povo criativo mas nao e de nada. Cinema uma merda, musica um lixo, literatura morta. Sobrevive do que foi feito antes de 2000, depois so porcaria. Mesmo durante Copa e Olimpiada nao foi capaz de dar jus a fama (palavra da midia extrangeira). Enfim, a geracao do reclama de tudo mas nao faz nada melhor

  13. O cinema brasileiro é ruim porém esses caras que estão comentando são frescos para c**** se eles são tão bons em fazer filmes porque eles não fazem o cinema brasileiro é engessado ok mas eu acho difícil alguém assistir filmes se utilizando das características que esses inúteis citam quem assiste filme quer se entreter viajar na maionese matar o tempo sentir medo se inspirar e etc

  14. A falta de cultura desses rapazinhos dá vergonha alheia…Não sabem nada de Glauber Rocha, nem sequer que ele era odiado pela esquerda à época. São uns pretensiosos. Por favor, só falem de coisas até 10 anos atrás

  15. Trabalhei durante 20 anos em locadora de vídeo passando pela fase vhs e dvd e filmes nacionais sempre foram os piores para alugar sempre foram os mais xingados pelos clientes que voltavam puta pra caralho com os filmes além do que nunca foram filmes família.

  16. Cazuza: O Tempo Não Para, Tim Maia, Dois Filhos de Franscisco e Somos Tão Jovens são filmes bem legais, acho mais legais até que Bohemian Rhapsody, poderiam ter falado desses filmes.
    Cidade de Deus, Tropa de Elite e Auto da Compadecida são ótimos filmes, mas ficaram muito caricatos com o tempo. O restante dos filmes nacionais que vi são piores que Amor Estranho Amor e Entre Lençois rs

  17. Temos que salvar aqui as obras de décadas passadas, como as de Mazzaropi, mil vezes melhor do q as "grandes" e custosas produções de hj em dia, pobres intelectualmente.

LEAVE YOUR COMMENT

Your email address will not be published. Required fields are marked *